8.05.2018

Meditação

Entre as coisas que querem ser ditas
mas assim não devem ser
há o ronco redundante
e intermitente
das formas desconhecidas
uma música mágica
ditando o drama da vida
um sangue apressado
alimentando as células do corpo
uma imagem indistinguivel
da face do amor, da face do medo
das faces de si mesmo
há um desejo irresponsável
pelo máximo que a vida é
dando lugar ao verbo
uma compreensão inexplicável
do mundo que nunca viu
um silêncio onipresente
surgindo em cada brecha
se expandindo e desbotando
o absurdo do caos...



Amo o mar

Amo as pedras
cobertas pelo mar
amo o mar polindo
e esculpindo as pedras lentamente
amo o sol aquecendo
e salpicando de brilho e luz
as infinitas faces do mar
amo o vento
levando a água pra dançar

6.13.2018

Oração para o dia dos namorados

Que Antônio, o santo casamenteiro
se compadeça de mim...
e não me case!
Rogai, São Valentin
Livrai-me das armadilhas do romantismo!

Que Nietzsche seja canonizado
e exorcize as mocinhas sonhadoras
dessa farsa que é o Príncipe Encantado!

Provei do amor, já sei seu gosto,
do mais doce ao mais amargo,
do mais fresco ao mais picante.
Estou satisfeita.

Amor é uma onda
da droga mais pesada
quando passa a ressaca é forte
deixa gosto azedo até na alma.

Se não passar, meus parabéns, o casal é de heróis.
Cumpriram a mais difícil jornada.
e a recompensa é a melhor
sentido pra vida e amizade.

Agora paixão,
Paixão não presta, é ilusão.
Dá torcicolo, gastrite e depressão.

Dessa quero distância,
repita comigo, sr. Corvo Poe: Nunca mais!
E Gogol que entende de nariz
mantenha o meu longe
do cheiro inebriante que exala a pessoa desejada

Mas não pensem, caros cupidos,
que numa pedra virou meu coração.
que um benzinho qualquer que não me quis,
me fez ficar recalcada.

Só não devo ficar calada
perante esse festival de lantejoulas
pois o verdadeiro não brilha tanto
como brilha o falso amor

Repitamos essa oração todas as noites
antes de dormir
e seremos visitados
pela fada da sensatez!

6.12.2018

Há um sol em mim

Há um sol na minha garganta
Me impedindo de macular a alma,
Com palavras vãs...
Um calor intenso a derreter meu coração
e inundar as veias
e transbordar pelos olhos...

O que faz um sol aqui?
Como que cresceu daquela centelha
do curto circuito na eletricidade que segue pulsando
a faísca de vida que a pineal garante

A pequena chama que me mantém
E não se cala.
E que pega nos meus tecidos de corpo
Velhos e gastos de sonhos tristes, mundo infiel...
Mas meus tecidos são novos,
e as rugas cansadas somem quando o calor me faz inflar.

Ha um incêndio contido em mim
Belíssimo brilhando nos espelhos e reflexões na minha cabeça
 Há uma poesia surgindo no ar
Como fumaça mágica se desgarrando desse consumo.

Há uma alma alegre em mim.
Alma crescida, que se levantou.
Um pássaro com cabeça e pernas de gato,
 que saiu de cinzas mágicas...
de uma vida triste e solene e se purificou no fogo.

 Hão as letras da palavra redenção,
 cada uma numa célula desse corpo,
vibrando juntas